30 de jun de 2011

Romance dramático argentino tem como tema o mundo digital e real

Um dos próximos lançamentos da Imovison é o filme "Medianeras - Buenos Aires na era do amor Virtual", conta com direção de Gustavo Taretto e aborda um tema super atual, que é o "mundo virtual" e os relacionamentos pela internet. A produção irá contar a história de Martin e Mariana.
Ele é um fóbico em processo de reabilitação, que aos poucos consegue sair do isolamento de seu pequeno apartamento e sua rotina virtual. Martin trabalha como Web Designer e tudo que compra é pela internet. Ele "herdou" de sua ex, que o deixou, um lindo cachorrinho, que serve como companhia, além de seu computador e de todos seus outros gadgets, ele é um geek.
Ela acabou de terminar um relacionamento de muitos anos e sua vida está uma bagunça, assim como seu apartamento. Trabalha como vitrinista e seu contato mais próximo é um de seus manequins. Ela leva partes deles para lá e para cá e acaba até conversando com os "bonecos".

Martin e Mariana vivem na mesma rua, em edifícios opostos, mas eles nunca se conheceram. Eles andam pelos mesmos lugares mas nunca notaram um ao outro. Quais são as chances deles se conhecerem em uma cidade de três milhões de habitantes? O que os separa, irá uni-los.
Além de abordar o tema de relacionamento virtual, o filme irá mostrar a cultura argentina, os pontos turísticos e a vida e o dia a dia dos profissionais que trabalham como web, tal como personagem Martin.

O elenco do filme conta com a belíssima Pilar López de Ayala e com os atores Javier Drolas, Inés Efron e Rafael Ferro.

"Medianeras - Buenos Aires na era do amor Virtual" estreia em agosto nos cinemas brasileiros. E se você quer saber mais sobre esse filme, acompanhe as redes, o Twitter e o Facebook de Medianeras!

2 comentários:

Marcele disse...

tenho gostado muito de alguns
filmes argentinos que vi!!!
Exemplo: O segredo dos seus olhos...
que axei magnífico e perfeito!!!
Muito Obrigada pela dica
Bjs!!!

Anônimo disse...

Chato. Mas interessante. Mas o Ministério Público precisa se maniestar sobre o fato da Distribuidora omitir, na classificação indicativa e inadequações, o fato de que há uso de MACONHA. Pelo que eu sei, no Brasil, por mais que reivindiquem o contrário, ainda é uma DROGA ILÍCITA.